quarta-feira, 25 de julho de 2018

Normoses, seus impactos ecológicos e sua superação.


Maurício Andrés Ribeiro
O rodoviarismo como uma normose que congestiona as cidades.Ilustração Cláudio Martins.
 
Consumismo, viajismo, carnivorismo são hábitos ecologicamente destrutivos. São considerados normais, mas a partir de uma abordagem ecológica podem ser vistos como doenças que causam danos ambientais. Por ignorância ou inconsciência praticam-se atividades que danificam o ambiente, que se caracterizam como normoses, uma modalidade de doença psíquica mais difusa e branda do que as neuroses ou as psicoses. Quem as pratica são os normopatas, assim como as neuroses são exercidas por neuropatas e as psicoses por psicopatas.
Jean Yves Leloup, Pierre Weil e Roberto Crema definem uma normose como “o conjunto de normas, conceitos, valores, estereótipos, hábitos de pensar ou de agir aprovados por um consenso ou pela maioria de uma população e que levam a sofrimentos, doenças ou mortes. São patogênicos ou letais, e são executados sem que os seus atores tenham consciência desta natureza patológica, isto é, são de natureza inconsciente. As normoses são estágios ainda não percebidos pela sociedade como doenças, tais como as neuroses ou psicoses.”
Posturas ou modelos mentais como o do especismo, que discrimina as demais e privilegia apenas a espécie humana entre as demais, influenciam nos comportamentos insensíveis que prevalecem na sociedade. Hoje ainda se considera as guerras como atividade normal apesar de sua destrutividade intrínseca e dos danos que causam ao ambiente natural e construído. O belicismo é atitude politicamente aceita e o armamentismo uma dinâmica economicamente valorizada. São normoses.
Numa cidade convive-se com injustiças sociais e econômicas, com situações que geram poluições ambientais e afetam a saúde individual e coletiva. Por insensibilidade, anestesia, enrijecimento, ou conformismo fecha-se os olhos para tais questões.  São normoses o rodoviarismo, os congestionamentos de automóveis que entopem as ruas, desperdiçam combustíveis e energia, poluem o ar, aumentam o tempo de deslocamento das pessoas, prejudicam sua qualidade de vida.
A cidade e a arquitetura de alto consumo de energia e alto índice de emissão de carbono agravam os desequilíbrios climáticos e ambientais. O mimetismo de padrões urbanos e arquitetônicos de climas frios é uma normose quando se aplica a climas tropicais.
Há normoses que perpetuam injustiças sociais. Em sociedades no passado o escravagismo era normal, com a compra e venda de seres humanos. O abolicionismo ajudou a extirpá-la. O racismo foi uma normose até que se tomou consciência de que é um problema. O colonialismo foi uma normose até que os movimentos pela independência o questionaram e levaram a sua extinção.
Há hábitos que prejudicam a saúde física. Assim, o sedentarismo é crescentemente percebido como um estilo de vida pouco saudável e passa a ser combatido.  O tabagismo foi considerado normal até que foi associado ao câncer de pulmão e campanhas de combate ao câncer evidenciaram tratar-se de hábito nocivo.
A superação das normoses se inicia com a tomada de consciência de cada pessoa que, quando desperta, deixa de se deixar levar por comportamentos imitativos, automaticamente.  A partir dessa autocritica e capacidade de discernimento avolumam-se críticas a tais hábitos.
Burocratismo, industrialismo, produtivismo são normoses. Serão superados quando crescer a percepção dos problemas a eles associados e quando a sociedade desenvolver a vontade e os meios para deixá-los para trás. Como outras normoses, quando se tornarem psicologicamente impossíveis, desaparecerão.

segunda-feira, 23 de julho de 2018

Viajismo

O viajismo é uma forma de consumismo de serviços que acontece quando pessoas se deslocam de um local para outro.  Viajar compulsivamente é uma normose social que pode tornar-se um vício pessoal.

Homo turisticus
O homo turisticus sai de seu lugar de origem e se desloca para onde haja situações de seu interesse.  Há o turismo de convenções e de negócios, o cultural, o cívico, o de aventuras, o sexual, o ecológico, o rural, etc.
Homo photographus
Cada turista se tornou um homo photographus. Com uma câmera, um tablet ou um telefone celular em mãos, fotografa o que lhe chama a atenção, capturando múltiplas imagens dos lugares por onde passa.

Com o envelhecimento da população, um tipo cada vez mais frequente é o turista geriátrico, que usa sua aposentadoria, poupança ou patrimonio em viagens pelo mundo. Tal tipo de turismo movimenta milhões de pessoas e impulsiona a economia. É positivo para a saúde individual, pois os idosos caminham, se exercitam, conhecem pessoas, lugares e coisas diferentes, animam e alegram suas vidas.
Cidades como Nova Iorque, Paris, Roma, Florença, Veneza e, Lisboa, o Porto, atraem multidões de turistas, que invadem as ruas, museus e espaços públicos. Andam pelas ruas e esperam em filas para acessarem museus e outros locais atraentes. Organizados em grupos, seguem as bandeiras de seus líderes para não se perderem.  
Gentrificação ou sobrevalorização de imóveis, expulsão de populações locais para ceder espaço a alojamentos para turistas são problemas locais provocados pelo turismo excessivo, que estressa a capacidade de suporte do ambiente local e pode matar a galinha dos ovos de ouro que traz receitas e renda.
O excesso de turismo em algumas cidades tem gerado a turismofobia. Em Lisboa, o termo terremoturismo compara o efeito do grande terremoto de Lisboa aos impactos hoje provocados pelas ondas de turistas.
Por outro lado, o turismo traz consequências negativas para a saúde ambiental. Uma viagem implica em deslocamentos no espaço, provoca gastos de energia e impactos ambientais. O transporte de pessoas e de cargas é uma atividade humana que impacta o clima, especialmente quando utiliza combustíveis fósseis cuja produção, refino e queima liberam gases de efeito estufa.
Cada modo de transporte provoca impactos específicos. Um viajante que se desloca num trem pode emitir três vezes menos gás carbônico do que aquele que viaja de avião num mesmo trajeto.  A aviação é grande emissora de gases de efeito estufa. O tráfego aéreo tem aumentado, à medida que se intensifica o turismo regional e o internacional.
 Os impactos das viagens podem ser reduzidos, em parte, por meio de decisões coletivas de investir em modos de transporte ecologicamente amigáveis e energeticamente eficientes.
Cobrar o custo integral de um bilhete, incluindo os custos ambientais, reduziria o viajismo. Durante a Rio+20, ocorrida em 2012, participantes da conferência calcularam a emissão de CO2 e compraram certificados para as neutralizarem. A emissão de 1 ton./CO2 custava R$10,00, quantia paga em máquina de cartão de crédito pelo então chanceler brasileiro e por outros participantes.  Seria possível transformar esse tipo de contribuição voluntaria em taxação compulsória para todos? Seria viável aumentar os preços de todas as passagens aéreas de forma a internalizar os custos de emissão de CO2? Seria aceitável encarecer o tráfego aéreo global, internalizando nos preços de passagens o custo ambiental integral? Há resistências em generalizar essas práticas.  Em 2013 a União Europeia tentou implementar um acordo para que os aviões que circulam na região comprem créditos de carbono para compensar suas emissões poluentes. A reação negativa dos Estados Unidos e de nações em desenvolvimento interrompeu a aplicação desse acordo.
Aumentar os preços de viagens está na contramão do esforço de empresas e de governos para reduzir custos e impostos, aumentar o consumo e incrementar o turismo interno e externo. O mercado também facilita o crédito, para que o cidadão se endivide e gaste em viagens. Além disso, por meio de campanhas publicitárias, os cidadãos são convencidos ou mesmo seduzidos a viajar.  Aumentar o preço das viagens inviabiliza ou dificulta que os mais pobres viajem, mas os ricos continuarão a fazê-lo ainda com mais gosto, pois o viajar converter-se-á novamente em sinal de status, tornando-se um bem posicional, um privilégio valioso.  
Uma forma de reduzir as viagens de lazer e turismo de longa distancia é valorizar o ambiente local no qual se vive, adotando o principio do “quanto mais perto, melhor”. O “turismo quilometro zero” se faz no entorno de onde se mora. Reduz transportes, viagens, deslocamentos.
As modernas tecnologias da informação e da comunicação, com as tele e videoconferências, facilitam a realização de viagens de negócios virtuais que dispensam o deslocamento físico, ao transportarem informações, textos e imagens. Parte das viagens de negócios pode, e em certos meios, já é substituída por tais conferências à distância. Navegar na internet também é uma forma de viagem virtual.
Talvez um dia, quando se fortalecer a era subjetiva, o atual ciclo de intensas viagens pelo ambiente exterior, a introspecção, a meditação, as viagens para o interior psicológico em busca do autoconhecimento se tornem mais valorizados, em benefício da saúde pessoal e ambiental.

(*) Autor de Ecologizar e de Meio Ambiente & Evolução Humana  ecologizar@gmail.com